“a Lua e eu”

Deixem a Lua em paz. Sim, um apelo, uma súplica romântica, pois hoje resolvi que não poderia dispor de palavras ácidas para expressar meu descontentamento com mais um ato cruel do ser humano.

Lá no alto, aonde até há alguns século atrás não podíamos ir, mas melhor que isso, podíamos sonhar e imaginar, está um grande ser, que os cientistas classificam como satélite natural. Inspiração para muitas músicas, romances e casais, orientação para grandes viajantes, luz e observador de muitos amantes, esse gigante branco, que aparenta tantas formas, que horas se esconde tímido nos eclipses, outras por trás de nuvens, horas mostra-se branco e luminoso como um grande farol na imensidão do céu limpo e aberto.

Se pés já pisaram sua superfície, até hoje gera-se dúvida. Mas que isso, acho que deveria gerar descontentamento, pois lá deve estar e lá ficar o grande gigante branco, e nós aqui, onde é nosso lugar. Se não nos cuidamos, e não cuidamos do nosso solo e natureza, porque alguns cismam em querer explorar o nosso carinhoso vizinho?

Agora são bombardeios, justificados em fins científicos. Mais do que raiva, me dá mais dor no coração. Cansados de bombardear e destruirmos nós mesmos, queremos achar a pureza de água límpida na imensidão do universo.

Por Deus, por nós mesmos, pelo amor à natureza, que tenhamos mais juizo. Peço perdão ao gigante branco que nos conforta lá em cima, perdão pela ignorância do ser humano. Que seu futuro seja mais digno que o nosso.

> Ouvindo: Leo Jaime

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s