melhor para mim


Em vez de desejar te tocar para tentar alcançar o céu, vou desejar alcançar o céu para tentar me tocar. 

Não é por olhar como se fosse o centro do universo, pois é definitivamente o que não quero ser. Mas cansei de ver o universo se mover, e preciso também fazer de mim movimento, força e buscar centramento e razão. 

eu serei a hiena


… então percebi que ainda sou muito criança, muito velho, que sou eu mesmo a falta que sinto por sentro. Fui e voltei, cai, ri disso tudo, cresci de mais, amadureci de mais, não totalmente ainda. Mas uma voz me lembra que é assim que se vive a vida, conquistando um pouco mais de mim a cada dia. Sou quase fã de mim mesmo. Uns dias na primeira fila, outros dias no fundo da arquibancada. Fã, ídolo, crítico, companheiro, patrocinador, carrasco. Quem sabe ainda sou uma garotinha? Irei rir de mim mesmo ainda, e da vida.

textos arrependidos


Textos esquecidos antes mesmo de serem escritos, ficando na falta de lembranças, a falta daquilo que em algum momento fez sentido ser dito. Perdem-se entre dedos, entre teclas, em tela, como algo enterrado no tempo. Muita coisa escrevi e guardei, não publiquei. Muita coisa ficou na cabeça, em intermináveis diálogos comigo mesmo, entre o que queria dizer a mim ou o que eu gostaria de ter ouvido. Entre o que eu queria dizer a você, ou a você, ou a você, … ou a outras tantas pessoas. Mas me coube guardar, ou me recolher em calar. Não me arrependo do que fiz, vivi, disse, demonstrei ou mesmo que tenha deixado de fazer, viver, dizer e demonstrar. Não me arrependo dos meus desabafos nem dos meus textos calados, guardados no rascunho, que nunca serão lidos por ninguém. Nem me arrependo de não ter escrito o que deveria. Pois tudo pode de alguma forma se resolver e curar. Mesmo as lágrimas que caem, são de dor, ou de querer e não e arrependimento. Errei sim, e muito! Causei mais dor do que a que sinto. Mas minha dor também tem valor e significado. Não cabe nem a mim julgar, ser juiz das minhas falhas, mas me policiar para superá-las.

45


Mem cinco minutos guardados, eternizados em auge de mais puro sentimento foram argumentos fortes para sustentar a identitade líquida dos seres. Palavras doces, recaídas, esperanças, negações, mais esperanças vazias, conselhos e broncas, tentativas de abrir os olhos entre as lágrimas. Cinco segundos para decidir, quarenta e cinco para se arrepender, seis horas de reflexão e conselhos musicais abafados egoisticamente nos ouvidos. O que é (e o que nunca foi) amor nos dias de hoje? Como pessoas que escorrem pelos dedos, sentimentos negados, escolhas tomadas. O juiz também deixou o apito de lado e foi jogar, a vida segue correndo e ninguém quer perder. Tenho orgulho por ter tentado, sincero em mim, no meu ser. Nas lágrimas me fortaleço, pois lavo minha alma. 

e quando eu voltar


Eu vou lá, seguir em frente em busca, a caminho da felicidade. Me abraço, me consolo e conforto, me olho nos olhos e me toco o coração. Aproximo da razão, recheada de emoção, pois assim sou. Eu preciso andar. E de dentro para fora buscar forças, para alcançar. O que falta preencher no meu eu, só a mim mesmo cabe completar. Quem quiser, virá apenas a somar e compartilhar, e que venha de peito aberto também. Estou chegando…

por perto de mim


Por quantas vezes fomos dormir juntos, e acordamos juntos na manhã seguinte? Quantas madrugadas eu e você conversamos, discutimos, discordamos, optamos por lados opostos do sofá, entre puxar a coberta ou abrir a janela? Até quando eu dormia no sofá e você na cama estávamos conectados. Por tantas vezes fomos melhores amigos e companheiros, e outras vezes fomos opostos e alguém que o outro nem queria por perto. Fomos também ausência um do outro. Você acha que sabe de todos os meus segredos, enquanto eu acho que não sei nada sobre você. Mas é de você que mais preciso nessa vida. E sem querer me achar de mais, mas sou eu quem você mais precisa em sua existência. Sem mim não sou você. Preciso de você por perto de mim, somos um só ser. Vivo por você, viva então comigo. Quando me olho nos olhos é você que vejo. Quando ouço sua voz, é a minha que ouço. Quando choro, nós choramos. Quando sorrimos, nossa alegria se multiplica. Em você tenho tudo que sempre quis. 

quando deixar de ser um merda


Tem dias que amanhecem nublados, como escurece a visão por não enxergar mais que palmos adiante. Como na vida também escurece a percepção, deixando de ter sentido, de sentir, perdendo entendimento literal do que se passa. 

Viver entre altos e baixos, entre risos, entre êxtase de alegria e choro calado sozinho, quando baixa a imunidade, a coragem, a vontade e o saber das escolhas. Quando faltam palavras a definir ou explicar. Quando deixo de parecer um merda e passo então a ser um. Não peço pena, não peço que me entendam, não me cabe esse direito. Não me cabe o que causo ao mundo.

aprendiz

Tantos em mim, faces, escolhas, gestos, inúmeras falhas, por onde vou e o que sou. O que posso ou poderei ser? Ângulos e interface, de dentro olho para fora. De fora tento jogar uma luz para ver dentro. Me perco achando que encontrei, depois caio na real. Sou só eu, que não consigo dividir em muitos. Sou muitos, que talvez não caibam num só eu. 

mil e uma

Mil lágrimas cairão, borrando a pele, lavando a alma, carregando boas e más lembranças. Mil em mil lágrimas pousarão, banhando o chão do que não lhe pertence. Um mar sob os pés, um mundo no qual se afogar, braçadas incertas em busca da superfície para respirar ou margem para escapar. Mil em mil, mil e uma, mil em uma. Mil vezes dizer e repetir, acertar e errar, mil escolhas e caminhos, mil formas de dizer o que não é óbvio, mil formas de esconder. Mil vezes mil. De tantas mil formas que não cabem em dedos, parecendo tantas quase impossíveis de contar, mas finitas. A cada mil bote mais mil, prolongue as chances e tente o impossível, mas tente. Mil formas de cair significam mil chances de levantar.

como me sentir?


Como me sinto quando vejo rostos estranhos pelo caminho, nos ônibus, nas ruas, ela estrada, no espelho? Sinto uma mistura de dúvidas, certezas, conclusões precipitadas, histórias inventadas e um certo vazio. Me sinto apenas observador no mundo, irrelevante, sem abrir a boca, sem saber me expressar, apenas mais um na multidão, somando em silêncio. Sinto uma tristeza, um algo incompleto por dentro e por fora.