eu erro

Cansado dos xingamentos, do calor das pessoas e do calor da cidade.
As vidas lotadas de falta de sentido e as dúvidas.
A vida é um ônibus? De passagem? Ou dê passagem?
Cansado de ter que escolher e não saber por onde começar.
Não entendo porque tanto rivotril ou dorflex, enquanto as pessoas nem sequer bebem água direito, ou de boa qualidade.
Escadas para subir, barrancos por cair.
Andadores artificiais, preguiça até de chamar o elevador.
As obras que nunca acabam, e as necessidades básicas nunca sanadas.
Furar fila, entras no ônibus sem pagar, pular a roleta ou entrar pela janela.
Quando lembrar de dar bom dia já é quase hora de ir embora.
Cansado dos tiros, da falsa segurança, cansado do medo.
Pessoas cheias de razão, cheias de si.
Virar a cara para o próximo, não ter a mão generosa, e ainda ser pedinte mal agradecido.
Cartazes nas ruas que não dizem nada.
Pessoas que não conversam com livros.
Digitalização da banalidade.
Eu erro, tu erras, ele erra, nós erramos, vós errais, eles erram.
Eu era, eles eram…

jogo

Dominamos o fogo
perdemos controle
aprendemos a controlar o fogo
perdemos controle

dominamos outras espécies
fomos surpreendidos por elas
impomos mais força e dominamos
perdemos controle

dominamos a terra
consumimos e exploramos
criamos recursos artificiais
perdemos controle

o coração não domina a mente
a mente não domina o coração
agimos sem razão
perdemos controle.

poeta tolo

Hoje acordei morto e destruído
me transformei em raio, rápido como trovão
me benzi na água gelada

hoje fui lixo, virei água, farelo e resto

hoje fui herói e vencedor

hoje senti a tristeza me abater
a alegria me animar
a tristeza me ensinar criatividade
e a alegria me fazer repousar

hoje não passo de um poeta tolo
um sonhador de sonho solitário
nem lágrima consegui ser.

Não tenho medo de dizer o que penso.
Tenho medo de só dizer, sem prensar. Tenho medo de não pensar.
Dizendo ou não. (RM)

Se a vida fosse só o que nos servimos à primeira vista, nunca descobriríamos o que é seguir em frente. (RM)

Poesia ao despertar do dia é ainda sonho
Poesia ao deitar à noite é ainda vida. (RM)

Tudo que escrevo é questionável
pois me sobra ignorância e falta beleza poética.
Antes as dúvidas que me despertam olhares curiosos e descobertas
que certezas que se limitam às verdades. (RM)

tanto nada

Tanta novidade é um tédio
uma loucura entorpecida em burrice e consumismo
uma burrice assumida
um choro arrependido

tanta futilidade que me cerca
absorvo, vivo e sobrevivo
me afogo completamente consciente
um choro arrependido

a carteira no lugar do coração
um cheio que nunca preenche o vazio
a saliva só por ir ao chão
as mãos secas no toque

o pulso ainda pulsa
mas de nada adianta ritmo ou cadência
se é a falência de sentido que sobra

tanta tristeza
e tantos sorrisos falsos
tanto sarcasmo e palhaçadas bestas
e tantas falsas amizades

o murro ainda soca
mas de nada adiantam facas
pois dividem em vez de multiplicar.

acorde para a vida

Café é uma convenção social…
sozinho só serve para queimar a língua ou pintar de preto os órgãos internos
acompanhado nos faz as pessoas mais legais que existem
desculpa para puxar papo
que cura sono é dormir
que cura tédio é se divertir
que faz o sono bom é deitar com a cabeça leve
e acordar sonhando
que faz a diversão boa é ir de peito aberto
e rir a toa, mesmo sozinho
beba da fonte da vida
com suas texturas e cores
pinte o coração de alegria
acorde para a vida.

certo?

Por que é tão difícil seguir a linha, manter a cabeça em ordem, o centramento astral, o equilíbrio e não deixar um sentimento ruim se desenvolver?

O que custa as pessoas entenderem que às vezes só quero fazer o certo, o bem de uma forma que acredito ser digna, correta, sem precisar usar artifícios e atalhos ou gambiarras? Fazer errado pra dar certo não é comigo.

É tão errado assim querer acertar?

molde

Dedos que apontam não medem caráter
medidas extremas às vezes fogem do controle
pesos às vezes são só de papel
uma hora peso morto
uma hora peso leve
às vezes sobrecarregam as costas

o anel é forjado à medida do dedo
mas é o dedo que vai se moldando ao longo do tempo

atitudes podem transformar futuros
moldes podem tolher possibilidades.

quer saber?

Acabou já faz algum tempo. Viver de ilusão, aparências, medos mascarados de falsas necessidades, falsas promessas… já deu! Não dá mais para viver no incômodo comodismo, aceitando se rebaixar e adaptar à realidade ao redor. Não mais.

Quer saber: hora de mudar? É agora!

Se as pequenas coisas fazem tanta diferença, as grandes potencializam isso. E cada atitude nossa, nós mesmos somos a própria diferença, somos a transformação e a força para realizá-la.

Quer saber? É isso! Tempo de mudar é agora.

insuficiente

Eu sou, eu não sou
o que você espera, o que eu posso
o que eu desejo, o que você tolera

eu não sou, eu sou
o que se enquadra, o que os outros aceitam
o que os outros rejeitam, o que se resguarda

nunca completo
nunca por inteiro
longe de ser perfeito
nunca isento de dúvidas
nunca cheio de certeza

eu sou a negação, o sim e o não
o que se pergunta, o que não responde
o que não se nega, que talvez não se assuma.

*   *   *

Às vezes a gente recebe um tapa na cara e fica achando que o mundo caiu, a casa caiu. Se foi tudo por água abaixo foi porque nossas vontades e o tempo, nossos conceitos e ideologias, já não batem mais com o que se espera.

Nós que mudamos? Devemos mudar, nos adaptar ou também esperar que outros abram suas cabeças percebendo que nem tudo pode ser como se deseja?

Já temos tantos problemas, dúvidas internas, expectativas, decepções, que fica chato receber esse tipo de cobrança o tempo todo. Cansa, desgasta.

É humilhante se sentir insuficiente. É humilhante ser taxado como incompetente, pouco ou menor, ser rebaixado. É triste.

Mais insuficiente achar que é só isso, sem enxergar alternativas ou cair na maldita armadilha de se acomodar a uma existência que passa a não fazer mais sentido.