mais gavetas do que mentes abertas

Há um certo ar de ironia na vida, quando em meios e tempos contemporâneos, de acesso a tudo, liberdade sobre tudo, ainda somos contraídos em herméticos pensamentos. Em que há sempre mentes vazias, mentes fechadas, mentes sofridas, pessoas na esquiva, energia perdida, frustrações, esforços em vão. Mais fácil fecharem as portas, as janelas, dizer um não, aceitar um não, do que ouvir boas opiniões. Se “de boas intenções o inferno está cheio”, então de boas ideias as gavetas também estão. 

De teias de aranhas temos que tecer uma trama de ramificadas possibilidades. Não uma armadilha, mas uma bela, positiva e sutil fuga ao infinito. Abrir as gavetas e botar as ideias em prática. Abrir a mente e botar a vida em prática. 

Anúncios

eu erro

Cansado dos xingamentos, do calor das pessoas e do calor da cidade.
As vidas lotadas de falta de sentido e as dúvidas.
A vida é um ônibus? De passagem? Ou dê passagem?
Cansado de ter que escolher e não saber por onde começar.
Não entendo porque tanto rivotril ou dorflex, enquanto as pessoas nem sequer bebem água direito, ou de boa qualidade.
Escadas para subir, barrancos por cair.
Andadores artificiais, preguiça até de chamar o elevador.
As obras que nunca acabam, e as necessidades básicas nunca sanadas.
Furar fila, entras no ônibus sem pagar, pular a roleta ou entrar pela janela.
Quando lembrar de dar bom dia já é quase hora de ir embora.
Cansado dos tiros, da falsa segurança, cansado do medo.
Pessoas cheias de razão, cheias de si.
Virar a cara para o próximo, não ter a mão generosa, e ainda ser pedinte mal agradecido.
Cartazes nas ruas que não dizem nada.
Pessoas que não conversam com livros.
Digitalização da banalidade.
Eu erro, tu erras, ele erra, nós erramos, vós errais, eles erram.
Eu era, eles eram…

pensando…

Nem nossa própria mente nós podemos dominar, mas acima disso: devemos saber e buscar harmonizar.

. . .

É melhor sentir medo, mas se sentir vivo, do que ter coragem e ficar parado. O medo pode incomodar e impulsionar, enquanto que a coragem pode te fazer acomodar.

montanha

Corpo eleva-se ao mais baixo e humilde de si
se não houver essência
se não houver o mais fundamental de si
nunca será possível elevar-se

corpo é parte
é reflexo, meio, artifício e instrumento
é força física
mas a mente, a consciência, o espírito
são motores invisíveis que movem mundos que nem imaginamos
em vem de confronto, devemos reunir forças em conjunto

há de se ter equilíbrio
pois é fininha a linha entre o caminhar e o cair
a busca é por harmonizar
pois na hora de voar: mente e corpo devem planar
na hora de fincar raízes: mente e corpo devem se plantar

na hora de chorar, a alma é uma criança inocente
o corpo é só cachoeira

tantos mistérios
tantas descobertas
tanto exercício e busca
tantas coisas para analisar

somos pequenininhos
somos montanhas
somos grãos
somos rocha
somos frágeis
somos pura força

no fundo somos mistérios
que nós mesmos devemos decifras.

faça

Faça o que fizer, não diga o que eu digo
pois suas palavras na minha boca
soam como abelhas confinadas
zunindo querendo fugir

faça como quiser, mas não repita meus erros
aproveite os seus acertos e erros
te ajudarão mais que os meus

faça o que quiser, faça por sua própria vontade
com suas próprias forças

ouça o que você diz
faça o que você diz

ouça você mesmo
observe o que você faz

“faça o que tu queres”
pois a lei é ser correto antes consigo mesmo.

crer e criar

Inocentes cremos sem ver
sabemos por crer
cremos por querer

a ilusão dura tanto quanto se puder sustentar
resistindo ao questionar
dura tanto quanto de puder acreditar

criamos ilusões e expectativas
caímos por terra quando nos damos conta
das falsas verdades que esperávamos que fossem se concretizar

não são as mentiras que se revelam
nós é que caímos nas verdades
ou continuamos nos enganando
mesmo sem saber

aquilo em que cremos, podemos criar
aquilo que criamos, só podemos crer, se fizermos com verdades.

poeta tolo

Hoje acordei morto e destruído
me transformei em raio, rápido como trovão
me benzi na água gelada

hoje fui lixo, virei água, farelo e resto

hoje fui herói e vencedor

hoje senti a tristeza me abater
a alegria me animar
a tristeza me ensinar criatividade
e a alegria me fazer repousar

hoje não passo de um poeta tolo
um sonhador de sonho solitário
nem lágrima consegui ser.

Não tenho medo de dizer o que penso.
Tenho medo de só dizer, sem prensar. Tenho medo de não pensar.
Dizendo ou não. (RM)

Se a vida fosse só o que nos servimos à primeira vista, nunca descobriríamos o que é seguir em frente. (RM)

Poesia ao despertar do dia é ainda sonho
Poesia ao deitar à noite é ainda vida. (RM)

Tudo que escrevo é questionável
pois me sobra ignorância e falta beleza poética.
Antes as dúvidas que me despertam olhares curiosos e descobertas
que certezas que se limitam às verdades. (RM)

tanto nada

Tanta novidade é um tédio
uma loucura entorpecida em burrice e consumismo
uma burrice assumida
um choro arrependido

tanta futilidade que me cerca
absorvo, vivo e sobrevivo
me afogo completamente consciente
um choro arrependido

a carteira no lugar do coração
um cheio que nunca preenche o vazio
a saliva só por ir ao chão
as mãos secas no toque

o pulso ainda pulsa
mas de nada adianta ritmo ou cadência
se é a falência de sentido que sobra

tanta tristeza
e tantos sorrisos falsos
tanto sarcasmo e palhaçadas bestas
e tantas falsas amizades

o murro ainda soca
mas de nada adiantam facas
pois dividem em vez de multiplicar.

acorde para a vida

Café é uma convenção social…
sozinho só serve para queimar a língua ou pintar de preto os órgãos internos
acompanhado nos faz as pessoas mais legais que existem
desculpa para puxar papo
que cura sono é dormir
que cura tédio é se divertir
que faz o sono bom é deitar com a cabeça leve
e acordar sonhando
que faz a diversão boa é ir de peito aberto
e rir a toa, mesmo sozinho
beba da fonte da vida
com suas texturas e cores
pinte o coração de alegria
acorde para a vida.

certo?

Por que é tão difícil seguir a linha, manter a cabeça em ordem, o centramento astral, o equilíbrio e não deixar um sentimento ruim se desenvolver?

O que custa as pessoas entenderem que às vezes só quero fazer o certo, o bem de uma forma que acredito ser digna, correta, sem precisar usar artifícios e atalhos ou gambiarras? Fazer errado pra dar certo não é comigo.

É tão errado assim querer acertar?