amor a gente deixa para os bons

Amor eu deixo para os bons
para os outros deixo minha cara de desprezo
que é o espelho que devolvo à sua ignorância

a sua falta de respeito me ofende
acha que me enfraquece?
ela te deixa vazio
te mostra o monstro que é
subproduto produzido em série, melhorado/piorado por um sistema corrupto

amor faço com minhas próprias mãos
melhor que te tocar impuro
e me sujar na tua falta de caráter

meu ódio é combustível
destilado dessa sua cara lavada
subornando e subjugando a pureza humana
uso esse óleo pra te lamber e fazer arder em fogo
e te apagar de uma vez por todas

vê se cresce
pois é inútil continuar sua brincadeirinha

acha que vai conseguir algo de bom?
não vai conseguir nem amostra grátis

amor verdadeiro talvez não saiba o que é
respeito, harmonia, caridade, humanidade
já ouviu falar?

então o que canalizo é para quem sabe dar valor
amor, carinho, afeto, abraço, sorriso
para quem realmente vale.

acordar

Acordam os olhos fechados ao mundo
o mundo que se fecha em absurdos
mentiras, trapaças

por cima dos panos todos se dizem virgem
mas por baixo alguns se mostram sujos
na sua cara eles prometem muito
mas ao longo dos anos fazem muito: mas muito pouco

declare guerra
se a passagem do ônibus aumentou
declare guerra
se o seu time do coração desabou
declare guerra
até mesmo se o seu time ganhou
declare guerra
se o seu patrão não te pagou
declare guerra
se o hospital diante de você as portas fechou
declare guerra
contra a guerra que muitos exterminou

acorde então suas pernas
e as ponha a caminhar
acorde seu coração
pois há algo mais a amar além da paixão nacional
acorde sua determinação
e seja seu próprio patrão
acorde seu corpo e mente
e faça de você um tempo de equilíbrio, centramento e saúde

que se abram as portas e janelas da alma
que as possibilidades sejam férteis
que a vontade de fazer faça realmente a diferença
que as ações sejam suficientes para gerar resultados

acorde o corpo
meta as caras e o pé na porta se necessário
antes que metam as pás na terra abrindo covas
e a existência se perca viva em areia movediça.

poder: 140 caracteres ou 7 bilhões de consciências?

#ForaDaniel

Agora para tirar o corpo (e o corpúsculo) fora, o tal do Daniel (figura tão íntima do público, através da tela da BBB TV, mais íntimo ainda Monique Bolinada) diz que broxou. Fato é, se broxou não entrou, então melhor assumir a “falha” que assumir a falha. Ou melhor assumir a falta do que assumir a falha? Falha, falta ou pênalti o fato é que o modelão não marcou o gol, ou foi um gol de bola tão murcha de meia que a bolinada nem sentiu. Ou será que ela é mais uma dessas com duas ou mais cavidades entre as pernas, de tão aberta que não sente mais volumes? Perder o tato é algo muito preocupante.

Fato é que a TV Coronelista Imperialista Ditadora Globo de Futebol e Regatas (ou também conhecida como Grêmio Recreativo Escola de Samba Globo – vulgo Globeleza; ou Rede Globo de Televisão) é completamente tendenciosa e manipuladora. Não é o BBB que é um laboratório, é do lado de cá da poltrona (fora das telinhas) que está o verdadeiro laboratório e campo de testes dessa megalomaníaca corporação. Ela é sempre a politicamente correta, é sempre a menina dos olhos. A do governo quando lhe interessa ou da oposição quando lhe convém interesse. Às vezes fico tentando descobrir se realmente Brasília é um fundo de poço aonde acontece tanta corrupção, ou se a corrupção só existe (e existe sim, entre outras tantas coisas) por ser inventada pela necessidade de ter em pauta notícias para bolinar ou confundir as cabeças (e rabos) dos telespectadores.

#ForaBial

BBB é um parque de diversões, um campo de concentrações ou um estudo de caso antropológico que o Pedro Bial usa para discutir (só com ele mesmo) as questões que regem ou canibalizam a existência humana. Só pode ser esse o motivo para fazer o cara sair da cama ereto por levar tanto fervor em um programa-zoológico como aquele. Pedro Bial é o fã número 1 do BBB. Ou ele passa mão em muita bunda lá dentro, ou alguém é que lhe passa… muitas “estalecas” pra contar…

Alguém por favor constrói um muro bem alto e dá o furo de reportagem de mão beijada pro Bial cobrir a demolição eufórica da muralha. Liberta-te antes que te devorem a consciência.

#LuizaMandouUmBeijo

E não é que a menina voltou do Canadá? Antes ficasse por lá. Virar rit no Jornal Nacional, Fantástico e Jornal hoje só dá panos para manga e baliza, e praticamente formaliza de vez a [ “falta de credibilidade do jornalismo globístico” ].

Ela virar celebridade instantânea na internet, até vai, internet é uma peneira sem rede, sem filtro. Impressionante o volume de gente falando sobre a moça, e depois que a coisa está quase acabando é que essas mesmas pessoas realmente entendem quem é, o que faz, do que se trata e o que foi isso tudo. E mais impressionante: a coisa mais boçal do mundo. É como se eu desse um “oi” pro meu vizinho e 170 milhões de pessoas seguissem isso. Gente, virei cool! =)

#ForaAdriano

Esse sim merece o título de Nobel da Paz (não o Obama, farsa), pois consegue ser inocentado de tudo, rapaz tão inocente e inofensivo, com certeza é orgulho da mamãe, do papai, até do Bruno e do Macarrão, da torcida do Flamengo e do Corinthians, orgulho da comunidade. Tudo acontece a sua volta, mas ele nunca se envolve, nunca tem culpa, não sabe e tem sempre razão. Rapaz tem um santo forte ou algum campo de força muito bom.

É o poder da mídia X o poder da consciência. E podemos escolhos qual lado seguir.

~ ~ ~
Um post de Chico Vereza no blog Jornalirismo me gerou comentário e reflexão sobre o assunto.

vestibulando-se

Pensando no futuro, você deixa reger-se e aceita o que ficar determinado por uma prova?
(A) Sim, me garanto na prova
(B) Não, sou mais do que apenas uma nota
(C) Não sei opinar

Pensando no futuro, você deixa reger-se e aceita o que ficar determinado por uma prova?
(A) Sim, me garanto na prova
(B) Não, sou mais do que apenas uma nota
(C) Não sei opinar

Suas notas são importantes…
(A) Para minha colocação no mercado
(B) Para nada, apenas para escolhas infundadas
(C) Para meu pai, minha mãe e para a Xuxa =)

Acho muito estranho que passamos uma fase de estudos aprendendo sobre muitas coisas importantes da vida, nosso corpo, nosso planeta, história, matemática, geografia, ciências, etc, mas depois vem uma fase em que tudo fica mais complexo e ao mesmo tempo superficial. Juntam todo esse conhecimento, incrementam com muito mais coisas e fazem o pacotão do segundo grau, pra colocar os alunos para ralar e quase aprender na marra, tudo de novo e todo o novo. Mas sempre senti que isso era muito falho, e me deprimi muito ao chegar uma fase em que só notava a dedicação e direcionamento de professores e colegas em que o primeiro ano era um resumo e levante de tudo que foi visto antes, preparando o terreno para os anos seguintes; o segundo ano mais assuntos mas só preparando para o próximo; e o terceiro ano aquela neurose de que “você tem que aprender isso para prestar vestibular”. Foi exatamente isso que vivenciei e presenciei, e percebia nos olhos de muitos a minha volta: 3 anos do segundo grau apenas com foco em preparar os alunos não para a vida (!!!) mas para fazer a tão temida maratona do vestibular (várias faculdades e universidades públicas e privadas), várias fases, provações, perguntas e questionamentos.

E o nosso futuro, é derivado dessa formação falha, deveria ser determinado pelo nosso resultado e colocação numa prova? Foi essa uma das minhas escolhas em prestar vestibular somente uma vez (fiz 2 fases da UERJ) e decidi firmemente que nunca mais faria aquilo na vida. Deixei rolar alguns anos e fui buscar uma faculdade depois, pensando no conhecimento que poderia adquirir.

Por esses dias deu esse rolo todo do ENEM, e é óbvio que coisa boa não poderia sair, afinal de contas é uma questão centralizadora, e joga sobre cada aluno uma responsabilidade muito grande, sendo que nem Estado, nem Municípios, nem o País, nem as instituições privadas dão as reais bases para formação intelectual desses alunos. Mas o frenético ritmo da juventude, os sonhos e cobranças e a ilusão do futuro faz esses jovens vestirem a camise das intituições e formação dos seus sonhos sem antes analisar o contexto como um todo, e lá se entregam à maratona de estudos, simulados, projetos e intensivos para fazer as tais provas. Se deslocam de bairros, municípios e até estados para prestar provas, tanto do ENEM quanto das centenas de outras instituições.

Aproximadamente 4 milhões de estudantes entregues ao sistema. Sei que muitos não aceitam, mas outros enchem os olhos de lágrimas-sonhos, lágrimas-tensão, lágrimas-esperanças, lágrimas-felicidades, e assim o barco “galopa” adiante. Se o barco apenas navegace na maré habitual ou sob ritmo de motores ativos e potentes, a coisa seria muito diferente. Esses mesmo 4 milhões de estudantes têm muito mais poder nas mãos, nas suas canetas e lápis, na sua palavra, e poderia reverter esse sistema, cobrar outro modelo, propor e defender melhor seus direitos. A massa já conseguiu derrubar presidente e encarar regimes muito mais opressores, perto disso, derrubar um sistema de provas de vestibular é muito fácil (ao meu ver), e isso muda muito a forma de encarar nossa formação, cobrar mais de escolas, universidades e faculdades, e preparar terreno para um futuro muito melhor.

Quem sabe um dia isso tudo mude.

marido traído

Não deu no “New York Times”:
“Marido traído faz benchmarking com amante sobre política de boa vizinhança”

Sabe aquela história de que “marido traído é o último a saber”? Pois então, somos todos da casa, e mesmo sendo os últimos a saber, não somos maridos (nem mulheres) traídos(as). Esse é um ponto muito positivo. E sabe aquela história de que “em time que está ganhando não se mexe”? Mais um caso em que o bom e velho marido traído não se enquadra (ufa), já que: se o amante já efetivo na casa, o marido não é mais o traído, passa a ser o outro, ou seja, passa a ser um “colaborador”. Nesse caso é o amante que já marcou sou popozão no sofá de couro confortável, e o marido traído é que faz o papel de trazer a latinha de cerveja na hora do jogo de futebol. Logo o amante comparece e faz muito bem a política de boa vizinhança, ele não  é o outro, mas sim o galanteador, que sabe flertar e gerir melhor o comando da situação. A esposa agradece.

Mais… como se diz que de resultado é que se vive e se joga o jogo, a melhor e boa notícia: a esposa — bela e fogosa menina dos olhos — vai muito bem obrigado. Atendendo a todos, contribuindo para o crescimento (e que crescimento!), e dando bons resultados para o bem geral da nação.

Agora cabe saber se cada um de nós escolher continuar ou não sendo uma dessas figuras ou inverter os papéis: marido traído ou amante ou esposa. Descubram quem é quem nessa história…

~   ~   ~

Só um desabafo, não é um evento ou situação pessoal. Só uma historinha para fazer uma breve associação com vários fatos da vida, sobre coisa que acontecem, e sabemos só depois. Como isso é chato!

faça o que tu queres

Estava lendo um artigo em uma revista de crítica de arte ( Tatuí ), onde havia um diálogo entre artistas e críticos, sobre realidade, posicionamento, artistas e curadores de arte. Uma artista argumentando sobre a arte sendo aparada, formatada, de acordo com curadores, críticos e os próprios artistas se permitindo isso, sendo instruídos e limitando-se a questões institucionais, canais e meios de divulgação, instituições de ensino e instituições financiadoras. Muitos artistas se permitem isso, outros sabem não se curvar e driblar, buscando seus caminhos.

A questão me fez pensar várias coisas…

Entre artistas, não-artistas, arte, não-arte, oficio, dia-a-dia… o mesmo se apresenta na nossas vidas diariamente. A “TV lhe diz o que fazer, lhe diz do que gostar, lhe diz como viver” ( Inocentes – Rotina ). As nossas escolhas, votação, eleições, política, por exemplo, são proporcionalmente fraudes, e convivemos com isso. As instituições de ensino, as mais renomadas e com anos e anos de tradição, são vagas, vagas lembranças do que realmente é ensinar e aprender, pílulas para “aprender a se virar no dia-a-dia pessoal e profissional” (mais profissional, “ganhe dinheiro, mas ninguém disse que seria fácil”).

As escolhas, reais, somos nós que fazemos. Se alguém chega tolindo tal informação, customizando e encolhendo, escondendo dados, entregando algo para fazermos, sem pensarmos… desconfie! Se alguém não lhe permite entrar em algum local, evento, ocasião… desconfie. Se alguém lhe olha estranho na rua, pois sua calça não está de acordo com tal… desconfie. ( Noção de Nada – Trajes e comportamentos de acordo com os eventos e as ocasiões ).

Até quando sofrer?

Um grito, um tapa na cara, ou nada tão doloroso assim, mas igualmente radical e verdadeiro: desconfie, olhe nos olhos, encare, ou simplesmente dê as costas e siga seu caminho. Melhor fazer pouco, ignorando, descartando, deletando opiniões ridículas, bestas e vazias, que fiquem para trás. Cabe então a cada um de nós trilhar seu caminho, passar por cima dos obstáculos, aprender, aprender sempre e mais, e saber extrair o melhor para poder crescer, compartilhar, argumentar e defender direitos, ideais e opiniões.

Tudo é da lei, quando a lei que nos rege é sincera e verdadeira.

aquecimento global, ficção ou realidade?

Apoiando a iniciativa e campanha Tic Tac Tic Tac, e o Dia de Ação dos Blogs, pesquei aqui um texto de 2007 do meu antigo blog, dando uma repaginada no conteúdo.

Dia 18 de novembro de 2007, uma edição do Fantástico apresentou uma matéria sobre cientistas que participaram de um documentário alegando que o aquecimento global é uma farsa. Durante a semana anterior foi publicada no Jornal do Brasil a divulgação da pesquisa e relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) sobre as condições do nosso planeta. Lá os cientistas mostram as consequências das mudanças radicais de temperatura. Segundo eles, a grande causadora do efeito estufa, e consequentemente do aquecimento global, é a grande emissão de gases, sendo o principal o gás carbônico. Eles defendem que os governos devem tomar posicionamento firme e imediato no estabelecimento e diminuição da emissão de gases.

Por incrível que pareça, são os governos que indicam cientistas renomados para integrar esse grupo de pesquisa. Mas na hora dos governantes receberem as informações e cumprirem sua parte, eles ignoram e se negam a tomar as decisões. Muitos países pediram que o texto do relatório fosse reformulado,  “suavizando” a culpa dos países nesse caos ambiental. Ou seja, pura incoerência, uma tentativa de menosprezar e de certa forma censurar a pesquisa, ou seja, manipular a divulgação de seus resultados.

Outra corrente de cientistas, do tal documentário, diz que essa história de aquecimento global é uma farsa, realmente defende e acredita nisso, ou seja, não acham que a mudança climática é tão grave quanto dizem, e que isso seja realmente consequência da emissão de gás carbônico. Pelos estudos desses, antes mesmo do “boom” da emissão de gazes, já era perceptível o aumento da temperatura do planeta, ou seja, não são os gazes responsáveis pelo aumento da temperatura. Ainda por cima dizem que é justamente ao contrário, ou seja, que o aumento da temperatura que é responsável pelo aumento da concentração de gazes nocivos.

Mas afinal de contas, o que é ou não verdade? Existe mídia e discussão defendendo ambos os lados. Qual a causa, qual o efeito real disso tudo não sabemos (ainda) – ou muitos não querem realmente explicar. Mas o que sabemos e o que sofremos são as consequências: sim, a temperatura está aumentando (ou baixando em determinadas regiões), florestas sumindo, geleiras descongelando, inundações, furacões, maremotos… isso é inegável.

Já está mais do que na hora de tomarmos consciência de que estamos num caminho que a princípio não está nos mostrando saída. Pode continuar aumentando 1 grau nos próximos 125 anos, ou pode aumentar 1 grau a cada ano! Cada vez mais estamos impedindo nosso planeta de respirar, tampando sua “pele” com estradas asfaltadas, um imenso tapete de petróleo quase impermeável. Deixa de existir mais terra e floresta, para ter mais asfalto, concreto, edificações, pessoas. Pessoas que não terão memória do que é pôr pés no chão. Estamos “encapando” nosso planeta, aos poucos nos destruindo. E isso tem que parar. Devemos pensar soluções para diminuir a emissão de poluentes, fazer uso e consumo consciente de bens duráveis ou não. Devemos fazer uso consciente de nós mesmos e do nosso planeta, pois é o que somos… para poder então poder sonhar com o amanhã.

Em 2007 já era crítica assim a situação. Hoje, entre “eco-chatos” e “eco-bags” (que às vezes não tem nada de eco), nosso consumismo desenfreado está nos matando. A cada pedaço de carne, desperdiçamos no processo de produção milhares de litros de água. Vale lembrar que não só as indústrias as vilãs da emissão de gazes, toda a cadeia, inclusive nós consumidores somos responsáveis. Até a agricultura, mesmo que não pareça, está nessa mira, pois o grande volume de água utilizado no planeta é mais da metade consumido aí. Vale lembrar ainda que o desperdício está em nossas torneiras jorrando à toa diariamente.

Os filmes de ação, que custam bilhões por produção, e que nós cínica e cegamente assistimos no cinema, hoje são a mais pura realidade, o mundo está esgotado, saturado de poluição, descaso e desrespeito. Estamos nos condenando. E não adianta buscar solução lá na Lua… Antes de tudo, falta educação e respeito.

Falando Nisso:

Hoje no Yahoo: “Avião movido a energia solar?” Busca de uma alternativa para avião que não produz poluentes.

“a Lua e eu”

Deixem a Lua em paz. Sim, um apelo, uma súplica romântica, pois hoje resolvi que não poderia dispor de palavras ácidas para expressar meu descontentamento com mais um ato cruel do ser humano.

Lá no alto, aonde até há alguns século atrás não podíamos ir, mas melhor que isso, podíamos sonhar e imaginar, está um grande ser, que os cientistas classificam como satélite natural. Inspiração para muitas músicas, romances e casais, orientação para grandes viajantes, luz e observador de muitos amantes, esse gigante branco, que aparenta tantas formas, que horas se esconde tímido nos eclipses, outras por trás de nuvens, horas mostra-se branco e luminoso como um grande farol na imensidão do céu limpo e aberto.

Se pés já pisaram sua superfície, até hoje gera-se dúvida. Mas que isso, acho que deveria gerar descontentamento, pois lá deve estar e lá ficar o grande gigante branco, e nós aqui, onde é nosso lugar. Se não nos cuidamos, e não cuidamos do nosso solo e natureza, porque alguns cismam em querer explorar o nosso carinhoso vizinho?

Agora são bombardeios, justificados em fins científicos. Mais do que raiva, me dá mais dor no coração. Cansados de bombardear e destruirmos nós mesmos, queremos achar a pureza de água límpida na imensidão do universo.

Por Deus, por nós mesmos, pelo amor à natureza, que tenhamos mais juizo. Peço perdão ao gigante branco que nos conforta lá em cima, perdão pela ignorância do ser humano. Que seu futuro seja mais digno que o nosso.

> Ouvindo: Leo Jaime

ah, mundo capitalista

“Onde se plantando tudo dá.” Isso foi há tempos, e deste solo fértil brasileiro ainda há chance de brotar mais e mais, pois nossa natureza é mais mãe e humana que a própria gente que passeia e maltrata o solo, nosso único e verdadeiro bem que nos dá retorno real. É bom ter o melhor bem e ele efetivamente não precisar ser nosso, pois mesmo documentos de posse nunca garantirão o domínio real, pleno e verdadeiro.

O grande problema é que aqui, além de amor e sementes, se planta muita desordem e corrupção.

Nosso povo cordial, há muito se deixou contaminar pela brutalidade da perdição humana. Há muito nosso povo, de corpo fraco e preguiçoso, ganhou músculos e se acostumou com o trabalho pesado. Isso fez brotar veias escuras e secas em cérebros bombados, inflados de “nada”.

Ah, mundo CAPETAlista. Que a natureza nos ajude, mostrando que podemos ser melhores, livrai-nos do mau, e dai-nos a paz e sabedoria, e sobretudo, força de vontade para sermos seres HUMANOS melhores, pois nossa existência, e permanência nesse mesmo mundo depende da nossa consciência.

bom dia

“Bom Dia Brasil”… ou melhor “Bom Dia, Vietnã”, talvez se adequasse melhor ao editorial de hoje (ontem) do jornal matinal. Tive que acordar mais cedo, por causa de um curso, tirando o sono enorme, acho que nem escutei o despertador tocar, mas me surpreendi ao ver a televisão ligada, e estava passando um jornal regional, que nem lembrava que passava, rs. Mas logo que terminou o Bom Dia Rio, começou o Bom Dia Brasil. E qual foi meu espanto, para uma segunda-feira que poderia ser tão mais agradável, logo após um final de semana de dia dos pais? Um péssimo editorial: trânsito, polêmica, violência, e em meio a tanta notícia ruim (ainda bem que não era eu sentado em frente a TV, e estava mais preocupado com escovar meus dentes), a única notícia que não era ruim, foi referente aos resultados co Campeonato Brasileiro de Futebol. E mais ainda, ainda bem que eu não fiquei para assistir ao jornal.

Uma pena…

Isso foi ontem, mas por hoje os noticiários, não só matinais, mas os da tarde também se repetiram em furacões, tremores, senadores e um monte de más notícias. Poxa vida, poderia ser melhor hein.