porto seguro

Quando só me restarem dúvidas, farei delas o maior impulso na busca de afirmar o que sou e o que sinto. Se as certezas estiverem abaladas, ao menos em mim terei algum porto seguro, a quem recorrer, consultar e reler aquela sinceridade de criança.

Posso oferecer o melhor que tenho, o melhor que sou, meus sentimentos mais puros, meu olhar e timidez, meu carinho e companheirismo. Mesmo as mãos trêmulas de medo pelo que vier a encarar, podem ao se fechar, agarrando uma a outra, ganhar força e coragem. Minhas mãos e palavras não pagam contas, não mudam opiniões, mas minha presença pode ajudar a ser um escudo contra a sociedade e as babaquices do mundo.

Desejo te segurar pela mão, olhar nos olhos e dizer “vamos juntos”.

Não tenho medo das opiniões alheias, pois contratempos e ignorância, intolerância sempre existirão. Meu medo mora em não poder viver o que mais quero.

Se o mundo ruir, mesmo assim eu ficarei. Se todos forem contra, mesmo assim acreditarei. Chegando meu momento e vou brilhar, seguindo meu rumo, refletindo brilho das energias boas à minha volta.

Vamos brilhar juntos, nós que acreditamos na liberdade. “Vamos viver tudo que há pra viver, nos permitir”, acreditando que qualquer dificuldade no caminho é pequena diante das conquistas que tivemos e ainda poderemos alcançar.

parece sexta-feira

Virou o dia, ainda é meio de semana, mas parece sexta-feira, tem cara e clima de sexta. Um fim, algo que fica no ar, algo que ainda falta, aquela inexplicável sensação que se o tempo voou, também parou, bloqueado em uma estação que não sintoniza.

Abro os olhos, tento abrir janelas, expor feridas, abrir o peito e o coração, pensar nas possibilidades, e vejo dias e dias passados misturando nostalgia e expectativas, esperanças e planos, confusão e promessas. O chão instável, parece brincar de bêbado e equilibrista. Não adianta assentar o pé, pois é só peso e não firmeza.

Não adianta escrever a própria poesia, pois muitos outros poetas de verdade tentaram entender ou explicar.

Não se faz curva no tempo. Não se pode enganar o destino. Não se sustenta sentimento na dúvida. Não se deve querer tocar o que não existe.

Mas é possível administrar bem e aproveitar o tempo. É possível fazer o destino ser aquilo que conduzimos a partir de sonhos e desejos, e principalmente esforço e dedicação. Com amadurecimento e entendimento é possível fortalecer os sentimentos, quando são puros. E o que não existe, bem, é possível fazer existir, se não puder tocar, sinta.

Parece sexta, mas ainda é quarta-feira. Não terminou, não é o meio, mas é mais um começo. E porque não abrir novas janelas?

eu erro

Cansado dos xingamentos, do calor das pessoas e do calor da cidade.
As vidas lotadas de falta de sentido e as dúvidas.
A vida é um ônibus? De passagem? Ou dê passagem?
Cansado de ter que escolher e não saber por onde começar.
Não entendo porque tanto rivotril ou dorflex, enquanto as pessoas nem sequer bebem água direito, ou de boa qualidade.
Escadas para subir, barrancos por cair.
Andadores artificiais, preguiça até de chamar o elevador.
As obras que nunca acabam, e as necessidades básicas nunca sanadas.
Furar fila, entras no ônibus sem pagar, pular a roleta ou entrar pela janela.
Quando lembrar de dar bom dia já é quase hora de ir embora.
Cansado dos tiros, da falsa segurança, cansado do medo.
Pessoas cheias de razão, cheias de si.
Virar a cara para o próximo, não ter a mão generosa, e ainda ser pedinte mal agradecido.
Cartazes nas ruas que não dizem nada.
Pessoas que não conversam com livros.
Digitalização da banalidade.
Eu erro, tu erras, ele erra, nós erramos, vós errais, eles erram.
Eu era, eles eram…

jogo

Dominamos o fogo
perdemos controle
aprendemos a controlar o fogo
perdemos controle

dominamos outras espécies
fomos surpreendidos por elas
impomos mais força e dominamos
perdemos controle

dominamos a terra
consumimos e exploramos
criamos recursos artificiais
perdemos controle

o coração não domina a mente
a mente não domina o coração
agimos sem razão
perdemos controle.

pensando…

Nem nossa própria mente nós podemos dominar, mas acima disso: devemos saber e buscar harmonizar.

. . .

É melhor sentir medo, mas se sentir vivo, do que ter coragem e ficar parado. O medo pode incomodar e impulsionar, enquanto que a coragem pode te fazer acomodar.

montanha

Corpo eleva-se ao mais baixo e humilde de si
se não houver essência
se não houver o mais fundamental de si
nunca será possível elevar-se

corpo é parte
é reflexo, meio, artifício e instrumento
é força física
mas a mente, a consciência, o espírito
são motores invisíveis que movem mundos que nem imaginamos
em vem de confronto, devemos reunir forças em conjunto

há de se ter equilíbrio
pois é fininha a linha entre o caminhar e o cair
a busca é por harmonizar
pois na hora de voar: mente e corpo devem planar
na hora de fincar raízes: mente e corpo devem se plantar

na hora de chorar, a alma é uma criança inocente
o corpo é só cachoeira

tantos mistérios
tantas descobertas
tanto exercício e busca
tantas coisas para analisar

somos pequenininhos
somos montanhas
somos grãos
somos rocha
somos frágeis
somos pura força

no fundo somos mistérios
que nós mesmos devemos decifras.

faça

Faça o que fizer, não diga o que eu digo
pois suas palavras na minha boca
soam como abelhas confinadas
zunindo querendo fugir

faça como quiser, mas não repita meus erros
aproveite os seus acertos e erros
te ajudarão mais que os meus

faça o que quiser, faça por sua própria vontade
com suas próprias forças

ouça o que você diz
faça o que você diz

ouça você mesmo
observe o que você faz

“faça o que tu queres”
pois a lei é ser correto antes consigo mesmo.

crer e criar

Inocentes cremos sem ver
sabemos por crer
cremos por querer

a ilusão dura tanto quanto se puder sustentar
resistindo ao questionar
dura tanto quanto de puder acreditar

criamos ilusões e expectativas
caímos por terra quando nos damos conta
das falsas verdades que esperávamos que fossem se concretizar

não são as mentiras que se revelam
nós é que caímos nas verdades
ou continuamos nos enganando
mesmo sem saber

aquilo em que cremos, podemos criar
aquilo que criamos, só podemos crer, se fizermos com verdades.

tanto nada

Tanta novidade é um tédio
uma loucura entorpecida em burrice e consumismo
uma burrice assumida
um choro arrependido

tanta futilidade que me cerca
absorvo, vivo e sobrevivo
me afogo completamente consciente
um choro arrependido

a carteira no lugar do coração
um cheio que nunca preenche o vazio
a saliva só por ir ao chão
as mãos secas no toque

o pulso ainda pulsa
mas de nada adianta ritmo ou cadência
se é a falência de sentido que sobra

tanta tristeza
e tantos sorrisos falsos
tanto sarcasmo e palhaçadas bestas
e tantas falsas amizades

o murro ainda soca
mas de nada adiantam facas
pois dividem em vez de multiplicar.